Vidas a Descobrir - As cientistas
Alcinda Honwana . Moçambique PDF Versão para impressão Enviar por E-mail



Antropologia
Directora do International Development Centre, Open University, Reino Unido
 
Licenciou-se em História e Geografia na Universidade Eduardo Mondlane, Moçambique, e fez um mestrado em Sociologia na Universite de Paris 8, França, e um outro em Antropologia Social na School of Oriental and African Studies, University of London, Reino Unido, onde também realizou o doutoramento. Antes de se juntar à Open University, Alcinda Honwana foi coordenadora de investigação nas Nações Unidas onde esteve envolvida no desenvolvimento da agenda de investigação sobre Crianças em Conflitos Armados. Dirigiu também os programas de África e de Crianças em Conflitos Armados no Social Science Research Council, New York e ensinou na University of Cape Town, África do Sul, e na New School, New York University, EUA.

 

Excerto do texto de Rafael Marques sobre Alcinda Honwana, in Vidas a Descobrir

 

 
Amabélia Rodrigues . Guiné-Bissau PDF Versão para impressão Enviar por E-mail



Epidemiologia
Investigadora, Gates Malaria Partnership, London School of Tropical Diseases, Reino Unido
Coordenadora do Projecto de Saúde de Bandim, Guiné-Bissau

Amabélia Rodrigues é licenciada em saúde pública pela Danetsk University, Ucrânia, e doutorada pelo
 Statens Serum Institute, Dinamarca. Actualmente dirige, na Guiné-Bissau, o Projecto de Saúde de Bandim que investiga a tuberculose, HIV, diarreia, malária, etc, com foco na saúde materna e da criança. É investigadora da Gates Malária Partnership.

 

Excerto do texto de Marisa Serafim sobre Amabélia Rodrigues, in Vidas a Descobrir

 

 
Anabela Leitão . Angola PDF Versão para impressão Enviar por E-mail



Engenharia Química
Coordenadora da cátedra da UNESCO em Eng. Química e Ambiente
Coord. Lab. Engenharia e Ambiente
Coord. M.Sc. Ambiente, U. Agostinho Neto, Angola

Após a independência, Angola assistiu a um êxodo em massa da população, onde se incluíam muitos intelectuais e académicos que deixavam a Universidade de Luanda sem professores. Anabela Leitão, nessa altura uma estudante do 3º ano de engenharia Química, tornou-se mentora de um movimento estudantil que fez tudo para impedir o encerramento da Universidade. Em conjunto com os seus colegas começa a dar aulas e a Universidade permanece aberta. Este seria o primeiro vislumbre da personalidade lutadora desta mulher singular que superaria todos os obstáculos para poder fazer investigação científica de excelência no seu país.
Hoje, coordena, na Universidade Agostinho Neto, a Cátedra da UNESCO em Eng. Química e Ambiente no âmbito da qual criou o Laboratório de Eng. de Separação, Reacção Química e Ambiente e o Mestrado em Eng. do Ambiente.

 

Excerto do texto de Cho do Guri sobre Anabela Leitão, in Vidas a Descobrir

 

 
Cláudia Sousa . Portugal PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

 

Primatologia

Coordenadora da Comissão Pedagógica  Departamento de Primatologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa
Vice-Presidente da Associação Portuguesa de Primatologia

Licenciada em Biologia, com especialização em antropologia biológica, pela Universidade de Coimbra, Cláudia Sousa é actualmente responsável por quatro disciplinas da Licenciatura e uma de Mestrado em Primatologia, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde também coordena a Comissão Pedagógica do Departamento.
Lidera um grupo de pesquisa e conservação de espécies de primatas na Guiné-Bissau, país para onde se desloca duas vezes por ano. Concluiu Mestrado e Doutoramento no Primate Research Institute da Universidade de Quioto, no Instituto de Inuyama, no Japão, onde trabalhou regularmente com chimpanzés em cativeiro. Através da mesma Universidade participou em projectos com chimpanzés na Guiné-Conakry. É actualmente vice-presidente da Associação Portuguesa de Primatologia.

 

Excerto do texto de Sílvio Mendes sobre Cláudia Sousa, in Vidas a Descobrir

 

 
Fátima Monteiro . Cabo Verde PDF Versão para impressão Enviar por E-mail



Política Internacional
Directora do centro de estudos cabo-verdianos - CESC, U. Lusófona
Research Fellow no Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica  

Iniciou o percurso em letras mas hoje foca-se na conceptualização teórica e crítica das relações internacionais. Durante o doutoramento na Universidade de Harvard, co-fundou a associação de estudantes lusófonos, a Harvard Organization of Portuguese Speakers - HOPS. Em 1999 a HOPS organizou uma conferência para estimular o debate sobre a política de investigação em Portugal, que contou com a participação de António Coutinho, João Lobo Antunes, Maria de Sousa, António Correia de Campos, entre outros. No seguimento criou o "Grupo de Reflexão sobre Ensino Superior e Investigação Universitária". Hoje dirige o CESC, um centro de estudos dedicado a problemas que afectam particularmente os cabo-verdianos e é Research Fellow na Universidade Católica.




Excerto do texto de Ana Sousa Dias sobre Fátima Monteiro, in Vidas a Descobrir

 

 
Irene Fonseca . Portugal PDF Versão para impressão Enviar por E-mail



Matemática
Directora do Center for Nonlinear Analysis
Professora de Matemática, Mellon College of Science, Carnegie Mellon University, EU

Licenciada em Matemática pela Universidade de Lisboa, Portugal, fez o mestrado e o doutoramento na University of Minnesota, Minneapolis, EUA. Em 2003 tornou-se na primeira pessoa a ocupar a posição de Mellon College of Science Professor of Mathematics, da Carnegie Mellon University onde é também directora do Center for Nonlinear Analysis. A sua investigação centra-se nas áreas do cálculo de variações, mecânica dos meios contínuos, teoria geométrica da medida e equações diferenciais parciais.
Em 1997, Irene Fonseca recebeu a Ordem de São Tiago, como reconhecimento da sua contribuição para o progresso científico na União Europeia. Em 2004 recebeu o Women of Distinction Award in Mathematics and Technology da Western Pennsylvania Girl Scouts Trillium Council. O prémio reconhece o seu exemplo de liderança e a sua carreira, assim como o seu esforço para encorajar mais jovens mulheres a seguirem uma carreira de investigação em Matemática. 




Excerto do texto de Ana Sousa Dias sobre Irene Fonseca, in Vidas a Descobrir



 
Maria Jesus Trovoada . São Tomé e Príncipe PDF Versão para impressão Enviar por E-mail



Genética de Populações
Investigadora Instituto Gulbenkian de Ciência, Portugal

Formada em Biologia e doutorada em Antropologia Biológica pela Universidade de Coimbra, Portugal. Neste momento faz investigação no Instituto Gulbenkian de Ciência, onde estuda os factores genéticos que conferem susceptibilidade ou resistência à malária na população da ilha do Príncipe, São Tomé e Príncipe.




Excerto do texto de Ana Sousa Dias sobre Maria Jesus Trovoada, in Vidas a Descobrir

 

 
Niède Guidon . Brasil PDF Versão para impressão Enviar por E-mail



Arqueologia

Directora do Parque Nacional da Serra da Capivara
Directora da Fundação Museu do Homem Americano

Licenciada pela Universidade de São Paulo, Brasil, Niède Guidon fez o doutoramento na Sorbonne, Université de Paris, França. Actualmente dirige o Parque Nacional da Serra da Capivara e a Fundação Museu do Homem Americano.
Niède Guidon descobriu o esqueleto mais antigo do Brasil pertencente uma mulher morta há 9 800 anos e encontrou 839 sites pré-históricos, 426 dos quais em cavernas com pinturas rupestres, no Parque Nacional Serra da Capivara, no nordeste do Brasil, o único parque americano incluído na lista da UNESCO como património histórico mundial. Niède Guidon criou várias estruturas de apoio às comunidades locais que providenciam apoio social e médico assim como educação teórica e prática em Ecologia, pré-história e restauração.

Documentos associados: "Serra Vermelha te quero viva" (frente) | "Serra Vermelha te quero viva" (verso) | Cartaz Serra Vermelha

 

Excerto do texto de Carla Mendes sobre Niéde Guidon, in Vidas a Descobrir

 

 
Norma Andrews . Brasil PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Biologia Molecular
Investigadora, Professora Yale University, EUA 

Licenciada e doutorada pela Universidade de São Paulo, Brasil, é actualmente Professora de Patologia Viral e Biologia Celular na Yale University.
A sua investigação centra-se no estudo das estratégias moleculares utilizadas pelos agentes patogénicos intracelulares e nos processos fundamentais de biologia celular que são subvertidos durante a infecção. Em 1991 recebeu o Burroughs Wellcome Molecular Parasitology New Investigator Award, e em 1998 o Burroughs Wellcome Molecular Parasitology Scholar Award.

 

Excerto do texto de Ana Sousa Dias sobre Norma Andrews, in Vidas a Descobrir

 

 
Thaisa Storchi-Bergmann . Brasil PDF Versão para impressão Enviar por E-mail


 

Astrofísica
Investigadora e Professora, Universidade Federal Rio Grande do Sul, Brasil

Licenciada e doutorada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde é actualmente Professora de Física e Astronomia.
Os seus interesses científicos centram-se em Galáxias próximas activas (AGN) e starbust. Thaisa foi a primeira cientista a detectar a presença de um disco de acreção em torno de um buraco negro no centro de uma galáxia inactiva. Em 2004 era a cientista brasileira mais citada em publicações especializadas de todo o mundo.

 

Excerto do texto de Marco Antinossi sobre Thaisa Storchi-Bergmann, in Vidas a Descobrir